Temporada de criança doente 2015

Não há nada mais perturbador que um filho doente. Essa semana foi a minha vez. Não posso reclamar porque o Rafael fique doente uma vez por ano, mas quando acontece, tenho a sensação que que não vai passar nunca.

Um dos piores aspectos de uma criança doente é a inapetência. Como mãe, sei que para melhorar ele precisa comer, e quando meu filho se recusa em função de seu estado de saúde meu coração para de bater. Fico pensando, “não posso medica-lo com seu estomago vazio”.primeirascolheradas(4 de 5) (640x426)                                                                                                                                      Foto: Bruna Romaro

Eu costumava ficar intrigada com o posicionamento dos pediatras porque eles não parecem muito preocupados com isso, dizem – ele vai perder peso – com a maior naturalidade. Mas qual mãe nesse mundo fica bem com essa informação?

Para tranquilizar meu coração procurei me colocar no lugar do meio filho e logo percebi porque os pediatras agem dessa forma. Imagine-se com a garganta inflamada, com febre, dores no corpo, mal estar e ainda sem saber falar o que esta sentindo. Imagine-se tendo que engolir remédios horríveis adoçados para tentar disfarçar o sabor, ou ser enfiado num banho “do nada” sem entender o que esta acontecendo. Quase um pesadelo.

E quem tem fome em meio a um pesadelo?

Olhando do ponto de vista do meu filho comecei a me conformar com a situação e a tentar encontrar formas de motiva-lo a comer sem forçar. O decimo passopara uma alimentação saudável segundo a Sociedade Brasileira de Pediatria é:

Estimular a criança doente e convalescente a se alimentar, oferecendo sua alimentação habitual e seus preferidos, respeitando sua aceitação.

Traduzindo: quando a criança esta doente é permitida uma “licença” na dieta e, portanto pode-se oferecer opções mais “gostosas” com o objetivo de deixa-lo minimamente alimentado. Mas atenção: isso não significa oferecer produtos processados e ultra-processados como refrigerantes, doces, salgadinhos. Essa licença deve ser entendida com cautela.

Por exemplo. Num momento sem febre o Rafael não quis almoçar, mas aceitou um pedaço de bolo caseiro. Eu deixei sem me preocupar com a refeição principal. Assim ele ingeriu carboidrato que é fonte de energia. Além disso, o bolo deu cede e ele aceitou um pouco de água de coco.

Outro exemplo são bebês que só aceitam mamar e não querem comer nada sólido. Ou que só aceitam uma determinada fruta.

Essa é a “licença”. Oferecer alimentos com alto valor nutricional e energético respeitando a aceitação da criança. Aprendi que não adianta forçar, brigar e se desesperar numa situação como essa. Ano passado meu filho ficou quatro dias sem comer. Ele perdeu dois quilos e eu ganhei seis mil cabelos brancos. Depois de passada a crise ele voltou a comer normalmente e rapidamente recuperou o peso.

Passar por esse desafio com a resiliência em prática foi a maior prova de que os pediatras tem razão em não se preocupar tanto com esse aspecto das doenças infantis. Sei que para eles é bem mais fácil, mas aprendi que preciso buscar essa serenidade.

Procuro sempre lembrar que sou o “piloto” do avião do Rafael. Se eu me desesperar, ele vai fazer o que? Vai pedir ajuda para quem? Ele precisa que eu esteja no comando passando segurança e tranquilidade. Assim ele pode se recuperar da melhor forma possível.

Criança doente precisa ser hidratada. Essa é a única regra que deve ser seguida a risca. Lembrando que leite materno, fórmulas infantis, água de coco, frutas suculentas, gelatinas caseiras (receita aqui no blog) e sucos fazem esse papel, além da água pura. Então mantenha seu filho hidratado com aquilo que ele preferir e aceitar melhor.

Não é fácil ser mãe, mas aos poucos vou pegando o jeito. Nada como uma experiência atrás da outra e um bom cabelereiro para manter os cabelos tonalizados.

Tammy Achkar

9 comentários. Faça o seu.

Ana luiza junqueira

Adorei !!!Acho que não vou me cansar de agradecer!!!

    Who doesnt love metal thongs? (I think that was Prince of Persia, among others). I ESCLLIAPEY love metal thongs in the winter. Tho i guess you could use magnets to keep your TO DO notes handly.

    Si eu am folosit fondul acesta de ten vreo 3 ani. Inca il mai am si mi se pare foarte bun. De fapt a fost si primul meu fond de ten, dar oricum nu il folosesc decat daca am vreun eveniment mai special. Sunt prea comoda sa ma machiez mereu cand ies din asa. Am descoperit insa si Toleriane de la La Roche Posay… deci am doua mari si unice iubiri in materie de fond de ten :)) Si nu mai vreau altele.

    Ha ha ha. Så de trenger mamma lenge det var godt å høre. Så søt han var gutten din på bildene. Vi hadde katt før. Jeg sa alltid at det var min manns og min sønns så forsvant den når vi fikk minstejenta. Jeg var liksom glad til. Når sannheten skal frem må jeg inrømme det er jeg som savner den mest. Men det er hemmlig:-)

    Med den ekonomin Kosovo har sÃ¥ lär det ju aldrig ske.Inte ens länder med mycket bättre ekonomi än Sverige, är sÃ¥ dumma att de stÃ¥r och delar ut pengarna.Det är det ENDA sättet att strypa det som händer nu…genom att dra in varenda bidrag folk kan fÃ¥.Och sen är det kanske dags att vi utropar SkÃ¥ne som självständigt INNAN det blir muslimskt…sÃ¥ att vi kan stoppa utvecklingen./FS

    The incident occurred at about 2am, lasted some minutes. The Police could not repel the attacks. But at least some eagle eye cop was smart enough to ascertain they were 40 in number.

    That’s a well-thought-out answer to a challenging question

    Zdá se mi to, nebo ÚS příliš lpí na absolutních veličinách a nějak stranou nechává relativní veličiny? Jedna věc je nesnížení absolutní výše platu, druhá věc je snížení kupní síly v důsledku inflace. A jedna věc je nesnížení absolutní výše platu, druhá věc je zachování poměru k jiným platům. Představte si situaci, kdy dnešní soudci by měli stejný příjem jako soudci v roce 1600, třebaže všechny ostatní platy by se přizpůsobovaly!Možná čtu příliš rychle, ale mám dojem, že ÚS se přes tyto problémy přenesl příliš zbrkle.

    Pflegen die Weisen heut auch noch zu reisen?Und wenn, vermutlich bequemer als einst.Außerdem sind mir in letzter Zeit wenig Kamele begegnet,es sei denn zweibeinige – so dass ich Deine Aussage leider nicht überprüfen kann. LG

Sua resposta a http://www.reignnj.com/