ALERTA PARA OBESIDADE

Fomos procurados pela assessoria da nutricionista Gabriela Kapim para publicarmos um texto de alerta sobre a Obesidade Infantil. Ficamos muito felizes por receber um texto de uma pessoa que admiramos muito e mais felizes ainda por ler que damos as mesmas dicas por aqui. Estamos no caminho certo, dividindo dicas, informações e orientações corretas para as famílias preocupadas com a saúde das crianças.

Segue o texto:

IMG_0986 Seblem Montovani (2) (427x640)

 

 

O aumento da obesidade observado nos últimos anos tem assumido caráter epidêmico. Diversos estudos ressaltam suas influências de fatores biológicos, psicológicos e sócio-econômicos. Observa-se aumento da prevalência da obesidade em praticamente todos os estratos de idade e ainda pode-se constatar tendência de concentração entre indivíduos de classes sociais menos favorecidas.

]Atualmente, constitui-se em um dos mais graves problemas de saúde pública em todo o mundo, avançando de forma dramática entre crianças e adolescentes, podendo levar ao desenvolvimento de doenças como diabetes, hipertensão entre outras. Além disso, indivíduos obesos, incluindo crianças e adolescentes, frequentemente apresentam baixa auto-estima, afetando a performance escolar e relacionamentos, conduzindo a consequências psicológicas a longo prazo.

Os fatores que poderiam explicar essa tendência de aumento da obesidade parecem estar mais relacionados às mudanças no estilo de vida e aos hábitos alimentares. A facilidade dos fast foods e alimentos pré-prontos traz uma dieta rica em gorduras (principalmente de origem animal), açúcar e alimentos refinados e reduzidos em carboidratos complexos e fibras.  Nesse caso, o papel do ambiente familiar aparece de forma bastante marcante no contexto do excesso de peso.

A família é a principal responsável pelos hábitos alimentares de crianças e adolescentes. A alimentação a partir dos primeiros anos de vida assume caráter decisivo. O comportamento alimentar tem suas bases fixadas na infância, diretamente influenciado pela família, portanto, a frequência com que os pais demonstram hábitos alimentares saudáveis influencia o comportamento alimentar dos filhos de maneira positiva e duradoura.

 

Diante desse cenário, a nutricionista Gabriela Kapim dá algumas dicas de uma alimentação mais saudável, que pode ser introduzida com certa facilidade no dia a dia das crianças.

 

1 – Oferecer os alimentos com formas de preparo diferentes, mostrando para as crianças que é possível um mesmo alimento ter diferentes sabores.

A cenoura, por exemplo, quando cozida é diferente da assada, de um bolo, do purê e etc.

2 – Levar a criança pra cozinha. É importante que ela veja como o alimento chega na casa, qual o passo-a-passo até ele ficar pronto e ir para o prato. Desta forma, ela passa a conhecer o alimento sem estranha-lo.

3 – Colocar sempre as 5 cores no prato. A organização do prato é muito importante para chamar a atenção da criança. Ela precisa se interessar pela comida, gostar do aspecto. Normalmente os pais colocam uma ou outra opção no prato e se a criança recusa de primeira ou segunda não tentam mais. É fundamental que os pais nunca deixem de oferecer.

4 – Dar bom exemplo. Os pais são os melhores exemplos para os filhos. Não adianta pedir para a criança comer legumes se os pais comem batata frita.

 

Dicas valiosas para mudar a direção da alimentação das crianças.

Tammy Achkar

Deixe um comentário